• 04:06 18 de Fevereiro de 2018   |   seu IP 54.227.88.174
  • Acessar sistema

    Pesca nos rios de MT está proibida até 31 de janeiro para a reprodução dos peixes

    A pesca nos rios que compõem as três bacias hidrográficas de Mato Grosso (Paraguai, Amazônica e Araguaia-Tocantins) está proibida a partir deste domingo (1º), para a reprodução dos peixes. A proibição seguirá até o dia 31 de janeiro de 2018.

    Quem for pego pescando durante esse período, vai responder por crime ambiental. Para evitar o descumprimento da lei, equipes do Batalhão da Polícia Ambiental, da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), do Juizado Volante Ambiental (Juvam), da Delegacia Especializada de Meio Ambiente (Dema), do Ibama Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) reforçam a fiscalizar nos rios.

    Além disso, quem desrespeitar a legislação, poderá ter o pescado e os equipamentos apreendidos, além de levar multa que varia de R$ 1 mil a R$ 100 mil, com acréscimo de R$ 20 por kg de peixe apreendido.

    Durante a piracema, só é permitida a pesca de subsistência, quando o pescado é usado para a alimentação da família. Mesmo assim, a pesca tem que ser na beira do rio e o limite é de 3 kg de peixe. Peixarias e outros tipos de estabelecimentos precisam declarar à Sema a quantia de pescado que têm no estoque até terça-feira (3).

    Até 2015, o período de defeso ocorria entre os meses de novembro e fevereiro, mas estudos realizados por instituições de pesquisa que fazem parte do Conselho Estadual de Pesca indicaram a necessidade de alteração das datas por causa da mudança no comportamento reprodutivo dos peixes monitorados.

    Segundo esse estudo, 75% dos peixes que vivem nos rios do estado iniciam a fase de ovulação em outubro e 40% terminam esse período em janeiro.

    (Fonte: G1)

     

    Conferência pelo Meio Ambiente vai discutir sobre águas
    16/02- O evento é um processo que mobiliza escolas brasileiras, públicas e privadas, urbanas e rurais, assim como escolas de comunidades indígenas, quilombolas e de assentamento rural.
    O brilho do Carnaval é uma ameaça para o meio ambiente
    14/02- Usadas para fazer brilhar o corpo, a roupa, os acessórios e os trabalhos manuais, as purpurinas, feitas com microplásticos, acabam no mar, prejudicando a vida marítima.
    Cientistas desenvolvem ‘plástico’ ecológico feito de batatas
    14/02- Melhores técnicas de reciclagem e uso de materiais orgânicos podem ser soluções ao problema do acúmulo de plástico.
    Municípios Consorciados
    Mapa do site
    Website desenvolvido por